segunda-feira, 23 de maio de 2016

'Spotlight', um filme que poderia ter sido.

Curioso. Eu havia ouvido tantos comentários positivos a respeito de Spotlight - Segredos Reveladosdo diretor Tom McCarthy, que esperava um daqueles filmes densos, inesquecíveis, carregados de energia dramática. A publicidade em torno dele era enorme e ficou ainda maior após Spotlight levar o Oscar de melhor filme e roteiro original este ano. Demorei a assistir à película após a estreia, o que contribuiu para aumentar ainda mais minha expectativa. No entanto, quando isso aconteceu, puff.... devo dizer que fiquei um tanto decepcionada.


Achei o filme burocrático, linear, e saí do cinema com a sensação de que a história real da equipe de jornalistas investigativos do Boston Globe que denunciou em 2002 casos de pedofilia envolvendo sacerdotes da Igreja Católica poderia ter sido muito melhor explorada. Em primeiro lugar, porque o tema é deveras polêmico. Cerca de 70 sacerdotes de Boston, EUA, foram denunciados por abuso sexual de crianças, notadamente aquelas em situação social vulnerável. A Igreja tentou abafar o episódio o quanto pode, mas o fato é que a série de reportagens veiculadas pelo periódico de Boston teve uma repercussão e um desdobramento formidáveis. O bispo daquele Estado renunciou no mesmo ano e a Igreja Católica tomou uma série de medidas e sanções subsequentes, dentre as quais se incluíram novas investigações e pedidos de desculpas pelos próprios papas. As repercussões do caso felizmente ecoam até hoje, fazendo com que países do mundo todo se tornem mais alertas e cuidadosos em relação a suas crianças.

Rachel McAdams, Marc Ruffalo, Stanley Tucci, Michael Keaton e John Slattery interpretam a equipe de jornalistas que comandou a investigação.

Spotlight (cuja tradução é "holofote") poderia ter sido um "filmão", mas não foi. Faltou emoção, faltou profundidade psicológica aos personagens, faltou roteiro. O tema não foi explorado em todas as suas nuances e possibilidades dramáticas. E o elenco, formado por bons atores como o eterno "Batman" Michael Keaton, foi subdirigido e subaproveitado. Por falar nisso, a atriz Rachel McAdams, que interpreta a jornalista Sacha Pfeiffer, me lembrou muito a linda Naomi Watts dos tempos de Cidade dos Sonhos, o filme hipnótico e estranhamente belo do esquisitão David Lynch. 

Rachel McAdams, que me lembrou muito Naomi Watts...
... E Naomi Watts, um dos rostos mais belos e marcantes do cinema contemporâneo.

Está no elenco também o grisalho John Slattery, que interpreta o executivo Roger Sterling em Mad Men, a bem-sucedida série sobre a rotina das grandes agências de publicidade americanas dos anos 50 e 60. Quer arriscar? Ok, vale para matar a curiosidade. Mas se você não conseguir assistir a Spotlight, não se preocupe: não está perdendo um grande filme.

Ficha técnica parcial:

Direção: Tom McCarthy
Roteiro: Tom McCarthy e John Singer 
Elenco: Marc Ruffalo (Michael Rezendes), Rachel McAdams (Sacha Pfeiffer), Michael Keaton (Walter Robinson), Stanley Tucci (Mitchel Garabedian), John Slattery (Ben Bradlee Jr.) e outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário