quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Zeffiro Restaurante & Rotisseria. O prazer de uma refeição com gostinho de antigamente.

De cara, a impressão é a melhor possível. Ao entrar no casarão antigo da Rua Frei Caneca, juro que me senti feliz ao constatar que, em meio à degradação e à especulação imobiliária que destrói a memória de São Paulo, ainda existem iniciativas que preservam uma das coisas que a cidade tem de melhor: sua história.

Eu já havia ouvido falar do Zeffiro Restaurante & Rotisseria e há tempos estava ensaiando para conhecer a casa. Fui lá almoçar e adorei. Tanto pela atmosfera do local quanto pela qualidade da comida e do atendimento.

Foto: Simone Catto

Mas vamos por partes. Começando pelo local. Ao chegar, logo conheci o proprietário, sr. Eder, que foi me mostrando o espaço enquanto contava um pouco da história da casa que remonta ao final do século XIX (cerca de 1895) e pertenceu ao avô de sua esposa, um imigrante italiano chamado Zeffiro Lorenzi.

Ao olharmos a fachada, não imaginamos o tamanho da casa! - Foto: Simone Catto

Segundo o sr. Eder, a família do sr. Zeffiro era autossuficiente e fabricava de tudo na casa: desde carvão, que o patriarca vendia na Av. Paulista, até roupas e vinho, entre outros itens. A propósito, algumas barricas de vinho originais decoram o local, ao lado de outros elementos que foram preservados e que fazem parte da construção, como as amplas janelas, as portas e as estruturas de madeira que sustentam o teto. O pé direito alto ajuda a propagar a luminosidade e tornar o ambiente ainda mais acolhedor.

Foto: Simone Catto

Os barris de vinho que hoje decoram o corredor são da época do Sr. Zeffiro.
Foto: Simone Catto

A área do toalete também mereceu um 'click'! As paredes são forradas com jornais antigos, sobretudo italianos. 
Foto: Simone Catto

O convite de casamento de Emília, filha do sr. Zeffiro, também ganhou um lugar de honra na colagem! - Foto: Simone Catto

Vale ressaltar que, apesar das dimensões do espaço e do número de mesas, a acústica do local é excelente e em nenhum momento ouvi ruídos indesejáveis ou a conversa da mesa ao lado.

Ao entrarmos na casa, deparamos com uma salinha de espera que o sr. Eder relatou ser a antiga sala de visitas da casa. Conforme vamos adentrando o espaço, porém, somos surpreendidos pela amplidão do local e por uma sucessão de ambientes que parece não ter mais fim. Algumas paredes têm tijolos aparentes, contribuindo para evocar algumas construções comuns na região da Toscana.

A simpática salinha de espera, que era a sala de visitas da família Lorenzi - Foto: Simone Catto 

Os salões se sucedem, agradáveis e aconchegantes - Foto: Simone Catto

Foto: Simone Catto

Agora vamos aos pratos. A maioria tem inspiração italiana e, segundo o site da casa, algumas receitas são herança de família. Começamos o almoço com um tinto delicioso, o Montepulcianno D’Abruzzo - Nova Corte D.O.C. (R$ 54). Recomendo a todos que apreciam um bom vinho!

O vinho que adoramos! - Foto: Simone Catto

Optei por um dos combinados do dia, que incluiu uma entrada, prato principal e sobremesa (R$ 49). Uma das opções de entrada era a salada de rúcula e manga - básica e gostosa. Como prato principal, escolhi o paillard de filé mignon com fettuccine ao molho quatro queijos. O paillard estava bem fininho e saboroso, a massa do fettuccine no ponto exato e o molho também fez bonito. Prova de que, ao contrário do que muitos possam imaginar, a combinação de carne mais massa pode resultar num prato leve.

A saladinha de rúcula, minha entrada - Foto: Simone Catto

O paillard de filé mignon com fettuccine ao molho quatro queijos - Foto: Simone Catto

O delicado enroladinho de legumes era a outra opção de entrada do combinado.

O enroladinho de legumes também agradou - Foto: acervo pessoal

As opções de sobremesa eram duas e escolhi o merengue com mousse de chocolate e calda cítrica. A sobremesa foi o único item que me decepcionou, provavelmente porque todos os merengues que conheço levam morango e suspiro e este aqui leva apenas um creme branco sob a mousse. Eu esperava mais. Neste caso, creio que seja mais vantajoso fazer a refeição à la carte. De resto, fiquei plenamente satisfeita!

O merengue poderia ser melhor - Foto: Simone Catto

E para arrematar... não poderia faltar o cafezinho! - Foto: Simone Catto

Se você ainda não conhece o ZEFFIRO, vale a pena marcar um almoço por lá! Fica na R. Frei Caneca, 660 – Consolação. Tel.: 3259-0932 - www.zeffiro.com.br. Abre de segunda a quinta-feira das 12h às 15h e das 19 às 23h, às sextas das 12h às 15h e das 19 às 24h, aos sábados das 12h às 17h30 e das 19h às 24h e domingos e feriados das 12h às 17h30 e das 19h às 23h.

Atualização:

Retornei a esse restaurante no dia 5/1/2014, um domingo - quase um ano após minha primeira visita - e a boa impressão permaneceu. Novamente optei por um dos cardápios fechados que incluem entrada, prato principal e sobremesa. Minha percepção sobre a comida foi ainda melhor que a anterior, porque, desta vez, a sobremesa agradou. Comi uma saladinha Panzanela (folhas verdes, tomates, pepino e pão temperado), um peixe do dia que estava fresquinho, acompanhado de um risoto e, se não me engano, a sobremesa foi Panna Cotta. Na ocasião não tive como anotar os nomes dos pratos, mas posso garantir que eles preencheram minhas expectativas pelo bom custo-benefício e continuo recomendando o restaurante a todos que apreciam almoçar bem em ambiente agradável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário